HIDROGEL

NatGel Industria de Cosméticos Ltda
R.aaaaaaaaaaaaaaaa
São José do Rio Pardo

| Home | | Produtos | | Tecnologias | | Hidrogel | | Lançamento e Ofertas | | Loja Virtual | Revendedoras | Contato |

Hidrogéis Cosméticos

Hidrogéis Cosméticos são produtos a base de água, que por sua composição e processo, formam um filme gelatinoso, que transfere umidade, sais minerais e base de algas à pele.

Estes produtos são uma classe especial de hidrogéis que nada têm a ver com hidrogéis injetáveis.

São exclusivamente para uso externo e não produzem qualquer toxicologia sobre a pele.

Têm emprego extensivo em todo o mundo e com o mesmo tipo de produto são produzidos em escala, como outros ingredientes para uso medicinal como bandagens curativas.

A NatGel produz apenas Hidrogéis cosméticos exteriores de uso tópico segundo tecnologia internacional.

A maioria dos processos descritos NatGel é proprietário e nos proporciona vantagens competitivas, incluindo nossa produção de um produto de alta qualidade e nossa habilidade incrementada para personalizar produtos para clientes de acordo com suas necessidades e requisições. 


Hidrogéis

Hidrogéis são substâncias gelatinosas ou coloidais feitas de água e sólidos. 

Eles podem ser criados quimicamente (por uma combinação de cross-link ou reticulação ultravioleta e interface química), ou misturando polímero e água, e expondo a uma irradiação elétron, ou irradiação ionizante que cria uma lâmina Gelatinosa de água.

NatGel assegura que seus hidrogéis têm uma grande vantagem competitiva, em parte devido às características de produto seguintes: adesão indolor ao corpo humano, estabilidade de forma e composição, pureza, re-produtividade (fabricando produto de alta qualidade em uma base consistente), compatibilidade com ingredientes ativos, e elevado conteúdo de água. 

Muitos dos produtos concorrentes de características similares a NatGel tem características físicas que a NatGel acredita são indesejáveis, que não aparecem em hidrogéis de nossa fabricação.

Estes incluem adesão à pele agressiva, substâncias químicas e instabilidade de formas, falta de uniformidade, baixo conteúdo de água, odor e questões de ativos receptivos que podem reagir com excreções da pele produzindo efeitos indesejados e inesperados. 


Hidrogéis NatGel

Hidrogéis NatGel são fabricados introduzindo um polímero hidrófilo que é um polímero (o mesmo usado para fazer plasma sanguíneo medicinal) que tem uma tendência para misturar-se ou dissolver em água para criar uma mistura de nutrientes aditivados. A mistura de nutrientes é moldada em uma linha regular, embalada, selada e exposta a radiação.

Os polímeros que empregamos, quando expostos a radiação, reticulam mais rapidamente, criando uma matriz que produzem os géis com uma forma sólida gelatinosa. Ingredientes ativos como prescritos, nutrientes para a pele, ingredientes de cuidado de pele ou materiais cicatrizantes e outros podem ser adicionados antes ou depois da reticulação ou cross-linking.

Contaminantes, bactérias, vírus, fungos ou parasitas não sobrevivem ao processo de irradiação, que esteriliza completamente o produto dentro da embalagem e sem posterior contato humano ou externo.

Uma vez os produtos sejam misturados, reticulados embalados e esterilizados, eles formam folhas laminares de gel de acordo com a forma de seus moldes, que ou podem ser entregues diretamente a distribuição ou clientes e podem ser cortadas e podem ser amoldadas de acordo com os clientes ou nossas especificações, como apropriado.

Histórico e REVISÃO DA LITERATURA sobre hidrogéis.  

Em 1960, Wichterle e Lim sintetizaram o poli(metacrilato de 2-hidroxietila), conhecido como PHEMA. O hidrogel que obtiveram deste polímero é inerte ao organismo, resistente à degradação e não é absorvido pelo corpo, o que permite sua ampla utilização biológica (Hoffman, 2002; Peppas, 1996; Rosiak, 1991).

A partir desse trabalho pioneiro, a potencialidade dos hidrogéis vem sendo bastante explorada e muitos trabalhos envolvendo esses materiais publicados.

Esse grande interesse pelos hidrogéis deve-se às importantes propriedades apresentadas por esses materiais (Peppas et al. , 2000; Rosiak, 1991; Satish et al. , 2006):

  • Habilidade em absorver grandes quantidades de água sem perder sua forma;
  • Biocompatibilidade quando em contato com sangue, fluidos corpóreos e tecidos biológicos;
  • Facilidade de obtenção em diferentes formas;
  • Consistência macia, elástica e flexibilidade, que minimiza o atrito quando em contato com tecidos;
  • Permeabilidade, permitindo o fluxo de fluidos corpóreos pelo material;
  • Possibilidade de incorporação e liberação de princípios ativos.

O IPEN em colaboração com a AIEA e o pesquisador Rosiak autor de uma das primeiras patentes dos hidrogéis e sob sua licença iniciou as pesquisas em torno de 1999 e desenvolveu plenamente a produção laboratorial entre 2001 e 2003, a partir daí iniciando pesquisas avançadas em várias aplicações.

A tecnologia NatGel é oriunda destas pesquisas acima citadas.

O primeiro Hidrogel para curativo de feridas processado por radiação deixaram os laboratórios na Polônia em 1986 pelas mãos de seu inventor Janusz M. Rosiak e logo, depois de testes formais, chegou ao mercado local (1992).

Era uma inovação tecnológica devido a suas características de produto para aliviar a dor e propriedades curativas incrementadas além de seu processo de produção inteligente combinando esterilização e reticulação (crosslinking) em uma operação simultânea.

IAEA convidou professor Rosiak a apoiar a transferência da tecnologia dele para muitos laboratórios ao redor do mundo. Os laboratórios de países em desenvolvimento que enfrentam todos os tipos de restrições foram seduzidos pela simplicidade do processo e baixo custo de suas matérias-primas.

No Brasil, o IPEN através do CQMA - Centro de Química e Meio Ambiente, liderado pelo Dr. Ademar Lugão desenvolveu extensa colaboração com o Dr. Rosiak, que resultou em inúmeras pesquisas e desenvolvimentos publicados nos meios acadêmicos, jornais científicos e imprensa.

Esta era a semente das atividades florescendo em curativos de Hidrogel no Brasil e outros países em desenvolvimento. A transferência de tecnologia da produção de radiação de penso de Hidrogel e outro Hidrogel para a indústria brasileira está encaminhada e desenvolvendo rápidamente novos processos.

Os assuntos habituais associados com processamento de radiação surgem desta experiência, i.e. custos importantes, desinformação sobre radiação e falta de perícias em processo de radiação. Alguns outros assuntos relativo a mercado local e peculiaridades sociais também acrescentam ao problema. Todavia, muitas oportunidades diferentes surgem desses desafios.